Sem arrependimentos.

ago. 28

“E quando você sorri, o som da sua risada me faz rir, e é nessas horas que eu queria ter um gravador por perto, pra gravar e ouvir tua risada durante o dia todo.” — Gabito Nunes.

(Fonte: classificar, via auroriar)

“Hoje você disse uma coisa que achei bonita: “você espera demais dos outros porque tem um coração puro, que de tão puro sofre”. É, eu sofro.” — Clarissa Corrêa. 

(via auroriar)

“Nunca me dei bem com as palavras, porém adoro as músicas, elas sempre falaram por mim.” — P.S. Eu Te Amo.  

(Fonte: subtraido, via auroriar)

“Não me façam ser quem não sou. Não me convidem a ser igual, porque sinceramente sou diferente. Não sei amar pela metade. Não sei viver de mentira. Não sei voar de pés no chão.”

ago. 26

“Isso é amor? Não sei, mas só pode ser. Não acho outra explicação. Meus pensamentos, dia e noite, te pertencem. Meus sonhos, noite e dia, são teus. Meus planos sempre te incluem. Só queria saber aonde você se encontra. Dentro de mim? Sempre. Perto de mim? Nem sempre.” — Clarissa Corrêa.  

(via alentador)

“Eu escrevo à noite porque tenho a impressão de que você jamais lerá a profundidade destas palavras todas juntas. Tão superficial, como um lago que ninguém toca; tão simples, como a flor de lótus que eu coloquei em sua cabeça; tão triste, como teus filmes preferidos. Nisso resume-se a minha vida: escrever para ver se isso passa, se esse pedaço que me arrancaram à força volta, se este vazio vai embora de vez e reste a certeza da felicidade. Eu me tornei sozinho por sua causa e quando me perguntam como estou eu respondo que eu vou indo. Porque aprendi que quando se vai ao abismo é melhor calar-se e deixar que a boca silencie a amargura de se amar às escondidas. Eu te amo quando ninguém vê, quando o inverno é rigoroso demais e acaba por congelar o sentimento, quando você decide fugir sem me dizer nada. Estou aprendendo com seus erros: os amo ainda mais. Eu estou aprendendo a desertar, a pedir socorro, a gritar quando colocam um revólver na minha cabeça e me perguntam como sobrevivo tão só. Ser sozinho, quando se pode não-ser, é o que mais dói. Pena você não saber disso e morrer, também, de solidão.” — floresinexatas.   

(Fonte: etiopy, via alentador)

“Ela tem uma bunda maravilhosa. Mas, sério. Eu gosto quando ela adormece no sofá e depois faz manha para ir deitar na cama. Aí eu a pego no colo, tiro cada peça de roupa, exceto a calcinha e as meias. Ela sente frio nos pés, até no verão. Não sei, eu me sinto poderoso e acolhedor. Então ela pede que eu a abrace de conchinha, ao menos até pegar no sono. Cara, eu odeio dormir de conchinha, detesto aqueles fios soltos de cabelo pinicando meu nariz. Mas adoro o cheiro que ela tem na nuca e ficar colado naquela bunda. Não sei como resolver isso.” — Gabito Nunes.  

(Fonte: prestigiador, via alentador)

(via words-of-emotion)

“É loucura odiar todas as rosas porque uma te espetou. Entregar todos os teus sonhos porque um deles não se realizou, perder a fé em todas as orações porque em uma não foi atendido, desistir de todos os esforços porque um deles fracassou. É loucura condenar todas as amizades porque uma te traiu, descrer de todo amor porque um deles foi infiel. É loucura jogar fora todas as chances de ser feliz porque uma tentativa não deu certo. Espero que na tua caminhada não cometa essas loucuras. Lembrando que sempre há uma outra chance, uma outra amizade, um outro amor, uma nova força. Para todo fim um recomeço.” — O pequeno príncipe. 

(Fonte: criticou, via alentador)

“E outra coisa – não se esforce. Pelo menos, não tanto. Não fique aí remando contra a maré, dando murro em ponta de faca. Veja – se não fora pra ser, não vai ser. Acredite em mim. Coisa boba essa sua tentativa de ir além. E olhe, eu não estou pedindo pra você desistir não, não é isso. Eu só quero que você pense mais… que tenha argumentos melhores.” — Caio Fernando Abreu.   

(Fonte: quedoceseja, via alentador)